Macarrão de Panela de Pressão

Eu confesso que sempre achei essa receita meio cafona, mas sempre tive curiosidade e medo de arriscar. Ontem eu resolvi testar e não é que deu certo?  Mas atenção, ela tem grandes chances de dar errado na primeira tentativa.
Eu li várias receitas desse prato e haviam muitas variações sobre a quantidade de água, sobre o tempo de pressão, enfim, fui no “feeling” mesmo.

Na panela de pressão eu refoguei com azeite 1 gomo de calabresa picado, 1/2 cebola grande e 2 dentes de alho. Juntei folhinhas de manjericão, 1 colher (café) de orégano, 1 sachê de caldo de carne em pó, pimenta do reino, 1 sachê de molho pronto (aquele que é 100% natural) e 1/2 pacote de macarrão parafuso cru. Misturei bem e acrescentei na sequência 1 copo e 1/2 de água quente (cerca de 350ml).  Tampei a panela e deixei em fogo alto até pegar pressão. Na sequência, abaixei o fogo e contei 4 minutos. Desliguei e deixei a pressão sair naturalmente (mais uns 5 minutos). Abri a panela, juntei 100ml de creme de leite e deixei descansar mais 2 minutos. O tempo de descanso é importante para que o molho fique encorpado (veja se precisa de correção no sal e acrescente se necessário). Na hora de servir cubra com bastante parmesão de preferência ralado na hora. O que eu achei da receita: A textura não me agrada muito porque a massa fica mole demais para o meu gosto (talvez se diminuir a quantidade de água e o tempo de pressão fique melhor). O aspecto também não fica tão bonito quanto o de uma massa feita da maneira tradicional, justamente porque o macarrão fica “molengão”. O sabor, que é o mais importante eu achei muito bom porque o macarrão cozinha no molho. Tem mais dois pontos positivos: rapidez de preparo e o fato de que só suja uma panela! Farei novos testes até chegar na receita perfeita (para o meu gosto).

Ficou com dúvida?

Veja minha página de dúvidas frequentes

Tatiana Romano
por Tatiana Romano Criadora do Panelaterapia Conheça a Tati

Tatiana Romano, reside em Sorocaba, deixou a profissão de Psicóloga e Professora para se dedicar à sua paixão pelas panelas e ao blog Panelaterapia que mantém desde 2009. Hoje se dedica a cozinhar, fotografar, escrever e brigar com a balança.