Salto del Guairá – Dicas de Compras no Paraguai

Se vc me segue no Instagram @panelaterapia deve ter acompanhado os dias de comprinhas no Paraguai. Estive lá entre o Natal e Ano Novo e muita gente me mandou direct pedindo dicas, por isso resolvi fazer este post para quem pretende ir para aquelas bandas trazer umas “muambitchas”.

Em primeiro lugar muita gente pensa que Paraguai é uma praça cheia de camelôs hahaha. Paraguai é um país com várias regiões para compras, algumas mais “muvucadas” e outras mais tranquilas. Conheço 3 cidades: Foz, Pedro Juan Caballero e Salto del Guairá e particularmente prefiro Salto.

Salto del Guairá é uma cidade pequena de 40 mil habitantes que faz divisa com Guaíra (Paraná) e Mundo Novo, no Mato Grosso do Sul. Tem como atrativos uma avenida de compras e alguns cassinos (bem distantes dos luxuosos de Las Vegas, mas igualmente cheios daquelas maquininhas), não tem mais nada além disso mesmo, mas acredite, vc vai curtir!

Como chegar:
A melhor maneira de chegar até lá é via terrestre e o aeroporto mais próximo é o de Maringá, mesmo assim fica há quase 300km de distância, então se você é “estradeiro” manda bala que o jeito mesmo. Eu sempre vou pelo Paraná e as estradas são boas, mas não são duplicadas e tem bastante fluxo de caminhões.

Compras: 
Tem muitas lojinhas de rua e tem algumas mega lojas como Shopping China, Queen Anne, Bless, Mapy e outras. Essas lojas grandes são verdadeiros shoppings com ótima estrutura, produtos agrupados por enormes departamentos, praça de alimentação, ar condicionado, banheiros bons, guarda-volumes.
Como o centro de compras se concentra em uma única avenida dá para parar o carro e fazer quase tudo a pé. Tem muitas vagas na rua e é totalmente seguro deixar o carro lá. O rapaz que cuida só vai ficar na sua cola para comprar um pacote com 5 pares de meia por 10 reais, mas tudo certo, as meias são boas.

*abaixo as lojas Bless, Shopping China e Queen Anne:

O que vale a pena comprar:
Eletrônicos, perfumes, maquiagem e cosméticos, óculos e relógios, artigos para bebês, bebidas (shopping China é sensacional), Lustres (iluminação em geral) e metais (quem está construindo vale muito a pena). O restante como brinquedos, eletrodomésticos, roupas, bolsas eu só acho que vale a pena as promoções pontuais.
Algumas outras coisas o preço não compensa, mas vale a pena porque não encontramos fácil no Brasil. Por exemplo, lá tem vários chocolates, doces, biscoitos, conservas, geleias, temperos do mundo todo, me acabo nessa parte!

Falsificações: 
Muita gente acha que os produtos vendidos no Paraguai são todos falsificados. Essa ideia é errada. O que faz o preço lá ser bem melhor é a carga tributária muito menor que a do Brasil e a margem de lucro dos produtos em torno de somente 10% (eles ganham na quantidade, no giro).
Assim como no resto do mundo, no Paraguai, especialmente nas lojas de rua, hoje você encontra muitos produtos Chineses, algumas réplicas de brinquedos, maquiagens, mas são aquelas que vc olha e sabe que são réplicas. As lojas grandes vendem produtos originais, com nota fiscal, direito de troca, tudo certinho.

Limite de compras e fiscalização:
O limite oficial para compras é 300 dólares por pessoa (maior de idade), maaaas o povo sempre dá um jeitinho. Tipo, se você for comprar um celular novo, não leve o seu. Tire os produtos da caixa, leve uma segunda mala vazia para não dar bandeira com as sacolas com logo das lojas, essas coisas. Eu como nunca compro nada caro, não burlo a lei. De coisas caras, só comprei um carrinho quando estava grávida da Lis e uma máquina fotográfica, mas foi de boa, eu gostcho das muambas mesmo e com 300 doletas faço a festa, hahahaha.

Existe inspeção policial na divisa entre Brasil e Paraguai, mas eu já fui umas 5 vezes para lá e nunca me pararam. Minha mãe já foi umas 400 (hahahaha, sério) e só foi parada na fiscalização 1 vez. Os policiais apreendem mesmo quando tem muitos ítens iguais, gente que vai revender, os famosos sacoleiros.

Dinheiro:
A moeda local é Guarani, o preço de tudo é em Dólar, mas aceitam reais em todo lugar, além de cartões internacionais.
Não esqueça de habilitar seu cartão para uso internacional, mas lembre-se que pagando com cartão você paga um imposto de aproximadamente 6,3% sobre o valor da compra.

Onde ficar:
Eu não conheço todos os hotéis, mas já fiquei hospedada na melhor opção da cidade que é o 7 Saltos Resort. Não se iluda com o nome, é apenas um hotel bom, com quartos limpos e espaçosos, uma piscina e um cassino, não é propriamente um resort. A vantagem é o conforto em relação às demais opções, a desvantagem é que é um pouco mais longe da região central (não dá para ir a pé).
Indico outras duas opções mais simples. O Nico e o Tacuru. Acredito que ambos sejam de padrões parecidos e são bem próximos do centro (já fiquei no Tacuru e minha mãe já ficou no Nico).

Bom, não sei se falei de tudo, mas se tiverem alguma dúvida podem deixar comentários! E se tiverem informações para compartilhar podem deixar também!

Ficou com dúvida?

Comente aqui no post ou Veja minha página de dúvidas frequentes

Comente!

Deixe uma resposta