in , , ,

Espaguete com Molho de Funghi

Ao contrário do que se pensa, Funghi Secchi ele não é um tipo de cogumelo, é apenas que o nome que se dá para o cogumelo seco ou desidratado. As versões mais comuns no Brasil são os Funghi Porcini (uma espécie que só nasce no Hemisfério Norte), e também as feitas com as variedades japonesas Shiitake e Shimeji, alémdo Funghi Chileno (meu preferido).

Se você acha a aparência dele pouco apetitosa ou nunca comprou porque imagina que não vai saber preparar, bora mudar o rumo dessa história? Porque você não imagina o que está perdendo!

Esse molho é coringão, serve para qualquer tipo de massa ou para servir sobre carnes, como por exemplo, um medalhão de filé. Fica show!

Vamos começar hidratando 50g de funghi. Cubra com 800ml de água fervente. Deixe descansar por 30 minutos. Sobre lavar ou não os cogumelos antes, existe uma polêmica: alguns lavam e outros dizem que tira o sabor. Eu passo rapidamente pela agua corrente antes de hidratar (os italianos piram agora kkkk).

Coe e reserve a água. Esprema os cogumelos apertando com as mãos para secarem bem. Pique em pedaços pequenos. Depois de hidratados e picados eles ficam assim:


Agora refogue 1 cebola picada em 2 colheres (sopa) de manteiga até começar a dourar.

Junte o funghi e refogue bem.

Acrescente 1 colher (sopa) de farinha de trigo e misture para a farinha se espalhar por todo o refogado. Some 1 xícara da água da hidratação do funghi tomando cuidado para não adicionar um tipo de “areinha” que fica decantada no fundo. Continue mexendo até ferver e engrossar. Vá acrescentando mais água (a da hidratação) até ficar na consistência de molho.

Agora vc pode temperar como quiser (sal, pimenta, ervas, etc). Junte 1 caixinha de creme de leite.

Cozinhe a massa de sua preferência e coloque o molho por cima. Fica simplesmente fan-tás-ti-co!

 

Nosso Score
Clique para votar neste post!
[Total: 2 Média: 5]

Written by Tatiana Romano

Criadora do Panelaterapia. Reside em Sorocaba, deixou a profissão de Psicóloga e Professora para se dedicar à sua paixão pelas panelas e ao blog Panelaterapia que mantém desde 2009. Hoje se dedica a cozinhar, fotografar, escrever e brigar com a balança.

12 Comments

Livro da Palmirinha

Bolo de Caneca “Integrale”