Fraldinha Assada na Mostarda

Pense numa carne saborosa e fácil de fazer! Pense! Se você não encontrar fraldinha, pode usar maminha que também fica uma delícia.  Essas batatas douradíssimas são o resultado de um truque MARA que vou ensinar neste post também, chega junto:

Eu comecei forrando a forma com papel alumínio e por cima papel manteiga. O alumínio vai segurar a gordura e sua forma vai ficar limpinha e o papel manteiga é para a carne não grudar. Mas, se você não ligar de depois ter que tirar aquela “borra” que gruda na forma pode fazer diretamente nela.

Em seguida, polvilhei sal e pimenta moída na hora nos dois lados da peça de carne.
Fiz uma misturinha com 2 colheres (sopa) de manteiga amolecida, 2 colheres (sopa) de mostarda, (que pode ser a comum ou Dijon) e 1 colher (sopa) de alho triturado.

Espalhei essa mistura sobre a carne (nos dois lados) e levei para assar em  forno preaquecido em 220º por cerca de 1 hora ( a carne que eu usei tinha mais ou menos 1kg, se for uma peça maior talvez precise ficar mais tempo).


A cada 15 minutos, eu abri o forno e espalhei sobre a carne a mistura de manteiga com mostarda que vai derretendo e ficando no fundo da forma.

Enquanto a carne assava, cozinhei em água fervente com sal algumas batatas sem casca cortadas em rodelas. Quando a carne estava no ponto, retirei do forno, deixei descansar por 10 minutos e fatiei (se fatiar logo que tira do forno ela solta muito líquido ).


Agora a super dica: Na “borra” da carne que ficou na assadeira “esfreguei” as batatas para pegar sabor e cor. Elas ficam super douradas como se tivessem ido para o forno. Você pode usar essa dica  com batata ou outros vegetais sempre que fizer um assado, seja carne, frango, peixes… Não é MARA isso?


Receita espetacular!!! Será repetida muitas vezes!!!

Ficou com dúvida?

Veja minha página de dúvidas frequentes

Tatiana Romano
por Tatiana Romano Criadora do Panelaterapia Conheça a Tati

Tatiana Romano, reside em Sorocaba, deixou a profissão de Psicóloga e Professora para se dedicar à sua paixão pelas panelas e ao blog Panelaterapia que mantém desde 2009. Hoje se dedica a cozinhar, fotografar, escrever e brigar com a balança.