Macarrão Caseiro

Vou usar o nome genérico porque a massa caseira tem uma certa “liberdade poética” para ter o formato que quiser. Eu acho que o formato mais próximo deste que eu fiz é o talharim, mas isso não importa, o importante é que dá para fazer massa caseira da maneira mais artesanal possível!

O cilindro ajuda? Com certeza! Mas eu não tenho, e deu super certo mesmo assim!
Claro que tem alguns momentos em que a gente precisa usar a criatividade (destaque para o macarrão secando no cabo da panela de pressão)!
A massa é muito simples:
para cada 100g de farinha use 1 ovo (e sal a gosto). Eu fiz apenas 200g (e 2 ovos)e deu para 2 pratos (depois de cozido).

Basta unir a farinha, os ovos e uma pitadinha de sal e amassar bem até ficar uma massa homogênea. Dependendo do tamanho dos ovos pode ser necessário um tiquinho (gotinhas mesmo) de água (eu não usei). Depois da massa pronta, divida-a em algumas partes para ficar mais fácil trabalhar e mantenha as partes que não estão sendo usadas cobertas com um pano.

Abra com um rolo em superfície enfarinhada, corte em forma de retângulo, polvilhe farinha por cima da massa e deixe descansar por 5 minutos para a massa secar um pouco.

Depois disso enrole como se fosse um rocambole e corte. Desfaça os rolinho e coloque o macarrão esticado para secar por mais 5 minutos (veja no passo-a-passo o macarrão secando no cabo da panela). Pegue um punhado de “fios” e enrole como se fosse um ninho. Deixe secar até endurecer.

Ele pode ser feito na hora ou guardado depois de bem seco em pote plástico por 2 dias (mais que isso nunca tentei).O preparo é idêntico ao do macarrão comprado, mas ele cozinha bem mais depressa (cerca de 8 minutos).

Momento mastercard: É mais trabalhoso do que comprar um pacote de massa, mas fazer o seu próprio macarrão não tem preço!!!

 

Ficou com dúvida?

Veja minha página de dúvidas frequentes

Tatiana Romano
por Tatiana Romano Criadora do Panelaterapia Conheça a Tati

Tatiana Romano, reside em Sorocaba, deixou a profissão de Psicóloga e Professora para se dedicar à sua paixão pelas panelas e ao blog Panelaterapia que mantém desde 2009. Hoje se dedica a cozinhar, fotografar, escrever e brigar com a balança.