O Mineiro e o Queijo

Recebi um e-mail pedindo apoio e achei mais didático transcrevê-lo para que os que não estão por dentro do assunto possam compreender:
“O Mineiro e o Queijo” é um filme que aborda uma questão muito importante que ocorre no Brasil. O queijo minas artesanal, aquele feito de leite cru, é proibido de circular fora do estado de Minas Gerais. Isso ocorre em função de uma lei federal de 1952, de inspiração norte-americana, que faz com que este produto enfrente um grave obstáculo: sua venda é proibida para outros estados brasileiros, o que provoca impactos econômicos e sociais significativos sobre os pequenos produtores.
Em 2008, o queijo minas virou patrimônio cultural imaterial brasileiro. Foi este reconhecimento que disparou o processo criativo e de pesquisas que levaria, três anos depois, ao documentário O Mineiro e o Queijo, do cineasta Helvécio Ratton.
Isso me fez mudar a linha que havia imaginado para o filme: inicialmente, iria numa linha em busca da tradição, mas gradualmente passei a me preocupar mais com o impacto da legislação federal sobre o pequeno produtor. Fui da História ao enfoque social”, diz Helvécio Ratton”.
Abaixo o trailer desse belo trabalho:

O MINEIRO E O QUEIJO mostra a tradição de quase 300 anos do verdadeiro queijo minas e a contradição que o ameaça: considerado patrimônio nacional, é proibido fora de Minas Gerais. O que é bom para os mineiros não é bom para o Brasil?


O último parágrafo foi extraído do site: http://www.omineiroeoqueijo.com.br/

12 comentários abaixo sobre O Mineiro e o Queijo

  • Avatar Anônimo disse:

    Tati, quando vim morar em Minas (sou paranaense) confesso que esperava mais desse tão falado queijo. Alguns, além de não serem tão bons, ainda são bem caros.

  • Avatar Lêda disse:

    Oi Tatiana, amei seu blog, muita receita legal…
    Estou te seguindo, se puder dá uma passadinha em meu bloguinho depois e se gostar me segue também.
    Bjos e bom fim de semana…

  • Avatar Anônimo disse:

    Sou mineira e queijo de minas é bom demais.

  • Avatar Anita disse:

    Wow!
    Pensei que fosse o link com o filme… 🙁
    Moro no interior de SP. E pelo que li lá, só vai ser divulgado nas grandes capitais.
    Quem sabe, depois de um certo tempo, consiga ver ele na tv Cultura. É um dos melhores canais para a divulgação desse belo trabalho.

  • Avatar Anita disse:

    Obrigada pelo link, Tatiana. Salvei já e verei aos pouquinhos!

  • J.M.B – quando recebi o pedido para postar sobre o filme, eu o fiz, mas sem emitir opinião pessoal, uma vez que desconhecia a questão com a profundidade necessária para poder argumentar. O fiz imaginando que aqui surgiriam comentários esclarecedores que agregariam aos dois extremos da balança. Por isso, muito obrigada pela sua colaboração!
    Abs

  • Avatar J.M.B. disse:

    Oi, Tati. A história é realmente linda!!! Sem dúvida! Mas não podemos deixar de lembrar que a legislação, apesar de parecer, não está aí sem motivo algum. A produção de queijos com leite não pasteurizado é PROÍBIDA no Brasil, porque, infelizmente, as condições higiênico sanitárias dos sistema produção no país são, em alguns (leia-se muitos) casos precárias. O leite contém altíssimas contagem microbiana. Normalmente essa é a realidade dos pequenos produtores, que não tem como investir em tecnologia, ou que por conta do jeito tradicional, muitas vezes turrão, não acredita que pequenas mudanças fazem a diferença no final ("meu bisavô fazia assim, meu avô sempre fez assim, depois meu pai, porque eu vou mudar?"). Normalmente, o que sobra pra esse leite produzido em condições inferiores é ser coletado para a produção do leite UHT, pois depois do processo, sai com contagem zero de microorganismos e é seguro para o consumo. Enfim, onde quero chegar é que o país (Ministério da Agricultura e Anvisa) tem que trabalhar MUITÍSSIMO para estabelecer regras e muito mais ainda para fiscalização das propriedades que produzem o leite para um queijo como esse, cru. Isso muito difícil, dada a extensão do nosso país. A única coisa que a legislação faz é tentar garantir garantir a segurança de todos. Não é perfeita, e não é justa, eu sei! Mas você tivesse a oportunidade de sair por esse mundão rural do Brasil e visitar as fazendas sítios e chácaras, como eu já fiz (sou zootecnista), você (vc e seus leitores) certamente daria um pouco mais de crédito pra legislação. Principalmente pq qndo vc chega ao supermercado e olha na embalagem, vc não encontra as informações se o leite usado pra fazer aquele queijo maravilhoso veio de uma fazenda top de linha ou de um sitiozinho onde o ordenhador usou a vassoura da calda (os pelos do rabo da vaca) pra limpar os tetos antes de tirar o leite.

  • Tati,
    Eu apoio este documentário, e fui no cinema assistir, o filme é ótimo, mostra os produtores de queijo minas de diversas regiões mineiras e suas dificuldades. Olha, e você vai se divertir muito com o jeito simples e leve que a questão é colocada. Vale a pena assistir!
    Bjs
    Lívia

  • Tatiana,
    O governo só tem que copiar o que deu certo na Europa as regiões demarcadas de produção reservada, existem inúmeras.
    Quanto aos transgênicos, embora sem estudos conclusivos, estão a ser utilizados de forma velada em muitos setores da industria, é lamentável e assustador.
    Beijo
    Vânia

  • Avatar Anita disse:

    Onde vai passar o filme? amei o trailer!
    🙂
    Obrigada Tati pela dica!

  • Avatar Anita disse:

    Tatiana
    Tantos absurdos legislativos vivemos hoje em dia!
    Estão por aprobar (ou já foi) o feijão transgênico… quase sem estudos do impacto dessas sementes trans na saúde! E sem necessidade também.
    O caso é sério e mal se fala disso…
    Abraços!
    Vou lá ver o vídeo!